EM  DEFESA  DA  CAÇA,  DO  ASSOCIATIVISMO,  DOS  CAÇADORES  E DO  ORDENAMENTO  CINEGÉTICO

 

 





 
 
 
 

 Plano de Dinamização do Sector da Caça no Algarve

Veja também: Protocolo com a DRAALG

O novo desafio da Federação de Caçadores do Algarve e a Circunscrição Florestal do Sul

Considerando o sector cinegético muito carenciado em termos técnicos e profissionais e atendendo à sua especificidade e relativa novidade em Portugal, a Federação de Caçadores do Algarve apresentou uma candidatura no âmbito da Medida AGRIS (Medida Agricultura e Desenvolvimento Rural dos Programas Operacionais Regionais), Acção 8 (Dinamização do Desenvolvimento Agro-florestal e Rural) sob o tema “Plano de Dinamização do Sector da Caça no Algarve”, de forma a contribuir para o desenvolvimento de um sector, que se assume-se cada vez mais como um pilar da economia do espaço rural e o qual se quer mais profissional e sustentado.

Esta candidatura foi aprovada num montante total elegível de 99 955,48 Euros. É um projecto que será desenvolvido em parceria com o Núcleo Florestal do Algarve, ao longo de um período de dois anos e terá como área de actuação toda a região algarvia. Tem como principal objectivo a dinamização do sector da caça, através do aproveitamento das potencialidades existentes, da utilização eficaz de instrumentos de política disponíveis, e da cooperação eficiente entre entidades gestoras de caça, proprietários, agricultores e produtores florestais no que respeita a questões de ordenamento cinegético, gestão de caça, conservação da fauna e de habitas.

A estratégia tem como base uma actuação coordenada e integrada neste sector sobre os aspectos mais deficientes, de forma a conduzir ao seu profissionalismo e modernidade, e afigura-se como decisivo na definição de um conjunto de orientações estratégicas no âmbito do ordenamento cinegético capazes de desenvolver e valorizar o potencial existente. 

As principais acções a desenvolver são:

- Estudo da região em termos de aptidão cinegética. Objectiva dividir geograficamente o Algarve em territórios de diferente aptidão cinegética, de acordo com as potencialidades do meio e a ocorrência de espécies, de forma a permitir encontrar um conjunto de estratégias que visem o aproveitamento e o desenvolvimento cinegético global da região do Algarve;
- Apoio técnico aos clubes e associações de caçadores. Objectiva a assistência e a colaboração permanente no que respeita à criação de espaços cinegéticos ordenados, à gestão dos existentes e à formação dos caçadores;
- Divulgação de medidas do III QCA e apoio ao investimento. Objectiva motivar os agentes do sector à apresentação de candidaturas, atendendo à inércia e desmotivação dos mesmos que se traduz numa baixa taxa de execução dos distintos produtos financeiros do III QCA;
- Definição e criação de modelos de gestão cinegética. Objectiva determinar modelos de que visem uma gestão sustentável dos recursos cinegéticos, e contribuir para uma melhoria significativa na gestão de terrenos cinegéticos ordenados;
- Elaboração de cadernos técnicos. Resumo do estudo desenvolvido através do Plano de Acção, destacando em especial, os aspectos que se julgam mais importantes para a dinamização e desenvolvimento da caça na região.

Estas acções visam sobretudo uma melhoria significativa na gestão técnica dos recursos cinegéticos e na administração de Zonas de Caça, o desenvolvimento e valorização do património cinegético, e a protecção do ambiente e dos recursos naturais e faunísticos associados

Espera-se assim desta forma contribuir para o crescimento e sustentabilidade do sector em todas as suas vertentes, para o desenvolvimento do espaço rural, e de uma maneira geral, produzir mais valias intersectoriais, aumento de rendimentos e bem – estar das comunidades rurais.

 

..

 | FCA  - Copyright © 2006 | Design: Região Sul 2 - Publicações, Lda. |.